A música é algo capaz de tocar a alma. Ela possui uma força incrível e independente de crença, posição política ou idioma, a música consegue conectar pessoas umas às outras.

Existem muitas formas da música chegar aos nossos ouvidos.

Em épocas da era digital em que vivemos, é muito comum uma pessoa ouvir música em seu Ipod, MP3 player ou celular. Existem muitos formatos digitais para que possamos ouvir nesses dispositivos.

Vinil Veio

O álbum que o senhor segura, é o A Hard Day’s Night da banda The Beatles

Há também que ainda prefira ouvir suas canções preferidas de forma que muitos fizeram há décadas atrás. Até o início da década de 90, era comum, os amantes de música ouvirem música em seus toca-discos. Embora com a vinda do CD para as prateleiras das lojas de músicas, tenha feito com que a mídia Vinil tenha sumido na mesma intensidade, há quem mantenha essa chama acesa.

No mundo, sempre houve colecionadores de Vinil, e esse número vem crescendo nos últimos anos. Isso fez com que velhas indústrias voltassem a ter esperanças no aumento de vendas.

Um bom colecionador de Vinil entende que a experiência em ouvir a agulha passar pela trilha é única, e traz diferentes sensações. Uma delas sem dúvida a nostalgia de tempos de outrora. Ouvir o sim tocar em uma vitrola ou toca-discos lhe permite uma viagem no tempo. Outro ponto é o fato de admirar a capa e o encarte do mesmo enquanto ouve as músicas daquele determinado álbum. Todo esse ritual faz parte de um processo de nostalgia que somente o colecionador entende.

TD

Toca Discos da década de 60.

Em uma época onde a qualidade de músicas produzidas (Novos Artistas) parece ter descaído em relação as décadas pesadas, essa “onda” de colecionar vinil tem trazido coisas boas para as pessoas. Além da viagem temporal que é realizada, os novos colecionadores descobrem o que os antigos há muito tempo já sabem; “Excelentes Músicos faziam músicas com poucos recursos tecnológicos”.

Essa nova (velha) onda de colecionar vinil trouxe os novos colecionadores para mais próximos das raízes da boa música, pois pouquíssima coisa que é produzida hoje sai em discos de vinil. Essa aproximação contribui e m muito para que o senso críticos das pessoas para músicas, se torne cada vez mais apurados.

Ed Motta

Ed Motta é um dos donos de uma das maiores coleções de Vinil do Brasil. Ed Motta possui uma coleção de mais de 30 mil discos.

Isso pensando de uma forma bastante positiva pode sim contribuir para quem sabe daqui alguns anos, o formato atual de se produzir músicas mude.  Não que deva ser produzir apenas em Vinil (Seria um Sonho), mas trazer o atual mais próximo da raiz, com músicas mais bem elaboradas, tecnicamente e com letras mais inteligentes, que lhe transmita algo mais positivo ou até mesmo te faça refletir.  Músicas com mais conteúdos positivos, mais atitudes. Características como o Jazz e o Blues na década de 40, ou o Rock and Roll nas décadas de 70 e 80.

Há quem defenda que esta onda pode acabar a qualquer momento. Mas sempre houveram colecionadores e esses não irão deixar de ser. E se isso for realmente verdade, os velhos colecionadores permanecerão e enquanto estiver viva esta chama, contribuirá para a melhoria da cultura nacional e internacional.