O quanto você está disposto para percorrer seu sonho? João Carlos Martins nos mostra o quão possível é fazer o que você verdadeiramente ama.

João Carlos Martins possui um lugar especial na historia da musica brasileira e internacional, sendo considerado um dos maiores interpretes de Bach (Johann Sebastian Bach, foi um cantor, compositor, cravista, maestro, organista, professor, violinista e violista oriundo do Sacro Império Romano-Germânico, atual Alemanha) e considerado por muitos com um gênio.

Natural de São Paulo, nascido em 25 de junho  de 1940, sempre possuiu aptidões para música  e começou a tocar piano muito cedo, no dia em que seu pai comprou um piano, com a professora Aida de Vuono.  Aos oito anos de idade, após seu pai tê-lo inscrito no instituto Liceu Pasteur (colégio de biculturalismo franco-brasileiro. Situado em um histórico e bem conservado prédio de São Paulo, no quarteirão entre as ruas Mayrink, Dr. Diogo de Faria e Coronel Lisboa na Vila Mariana), iniciou seus estudos de piano com seu professor José Kliass  em São Petersburgo, Rússia.


“Em 2001, ele grava o álbum Só para Mão Esquerda, escrito por Paul Wittgensteinque perdeu o membro direito na Primeira Guerra Mundial. A intenção era de gravar 8 álbuns apenas para a mão esquerda”

“Em 2001, ele grava o álbum Só para Mão Esquerda, escrito por Paul Wittgenstein que perdeu o membro direito na Primeira Guerra Mundial. A intenção era de gravar 8 álbuns apenas para a mão esquerda”

João Carlos Martins viu-se por diversas vezes privado de seu contato com o piano. Em 1965, em um jogo treino da Portuguesa realizado no Central Park, Novo Iorque, ele foi convidado para integrar o time, mas teve uma queda, que perfurou seu braço direito na altura do cotovelo, atingindo o nervo ulnar, provocando atrofia em três dedos, obrigando-o a parar de tocar por um ano, tocou com dificuldade até os 30 anos. Voltou ao Brasil e tornou-se empresário de música e boxe por 7 anos. Mas fora somente em 2002 que definitivamente João Carlos Martins abandonou os palcos.

Em 2012 ele se submeteu a uma cirurgia no cérebro para a implantação de dois eletrodos do cérebro, com um estimulador eletrônico no peito, para recuperar os movimentos da mão esquerda, atrofiada.  Já que estava com a distonia bem avançada, atingindo todo o braço e não abrir a mão há 10 anos.


O quanto você está disposto para percorrer seu sonho? João Carlos Martins nos mostra o quão possível é fazer o que você verdadeiramente ama.

Hoje aos 75 anos, João Carlos Martins faz regências magnificas. Apresentou-se em inúmeros locais de grandes nomes como Paris e Bruxelas, imprimindo em suas interpretações a mesma dinâmica que o fez quando pianista. Certamente pode se orgulhar de sua solida carreira, e das muitas historias de superação em pró da sua imensa e eloquente paixão pela musica. Mostrou que a o amor pela musica pode ser capaz de quebrar terríveis barreiras.

Graças a sua historia de perseverança e garra, temos uma belíssima trajetória para contar, além das inúmeras pessoas que são beneficiadas por sua obra.


“Um romancista estaria sob grande pressão se levado a inventar uma vida mais implausível do que a do brasileiro João Carlos Martins. Trata-se de uma estória de aclamação pública e tragédia pessoal, de traumatismo físico e recuperação obstinada. Além da música, essa estória abraça intriga política e escândalo financeiro.” - Frase escrita pelo Jornal New York Times.

“Um romancista estaria sob grande pressão se levado a inventar uma vida mais implausível do que a do brasileiro João Carlos Martins. Trata-se de uma estória de aclamação pública e tragédia pessoal, de traumatismo físico e recuperação obstinada. Além da música, essa estória abraça intriga política e escândalo financeiro.” – Frase escrita pelo Jornal The New York Times.