O projeto Anthology é, sem sombra de dúvidas, o trabalho mais completo já feito sobre os quatro rapazes de Liverpool desde que o grupo se dissolveu em abril de 1970. Pela primeira vez, a história dos Beatles é contada pelos próprios Beatles, com declarações em primeira pessoa. A série “The Beatles Anthology” é composta por 3 cd’s duplos (com duas músicas inéditas), um box com 5 dvd’s e um livro, do qual iremos comentar nas próximas linhas.

O trabalho de garimpos e declarações teve início em 1987 e só se tornou realidade porque Paul McCartney, George Harrison, Ringo Starr e Yoko Ono (viúva de John Lennon), resolveram suas pendências pessoais e judiciais para que tudo fosse realizado sem a ameaça do projeto ser interrompido.

Os três ex-beatles remanescentes juntamente com Yoko, contribuíram abrindo seus arquivos pessoais, disponibilizando fotos inéditas e concedendo declarações que até os dias de hoje eram desconhecidas do grande público. As palavras ditas por John Lennon foram retiradas de entrevistas concedidas por ele nos anos 60 e 70.

A obra começa com capítulos individuais onde, John, Paul, George e Ringo contam o período de infância e adolescência e os seus primeiros contatos com a música. Há também falas de George Martin, produtor de todos os álbuns da banda (exceto Let It Be) e de dois integrantes que deixaram o grupo antes da gravação do debut “Please Please Me”: o baterista Pete Best e o baixista Stuart Sutcliffe.

Um dos pontos de maior destaque é quando Paul McCartney conhece John Lennon logo após a banda de Lennon, o “The Quarrymen” (que mais tarde viraria Beatles) tocar em um colégio. A primeira turnê da banda em Hamburgo, em 1961, ganha a devida importância. Nesta viagem, George Harrison, então com 17 anos, foi deportado do país por ser menor de idade.

A primeira visita aos Estados Unidos, em 1964 e o encontro com o ídolo máximo, Elvis Presley é contada com detalhes inéditos e a improvável e até mesmo inesperada declaração de Paul que revelou que Presley tentou boicotar as músicas dos Beatles na terra do Tio Sam.

O recorde que os Beatles conseguiram na parada americana também não passa em branco nas linhas do livro. A banda emplacou os 5 primeiros lugares nas paradas dos Estados Unidos, feito que jamais foi igualado.

Por fim, as brigas durante as sessões de gravação de ‘Let It Be” são contadas em detalhes por todos os envolvidos. As interferências de Yoko Ono e a clara insatisfação de McCartney como a presença da esposa de John, revela que o clima entre eles não era dos melhores. O álbum foi gravado sob enorme tensão entre eles, tanto que o projeto inicialmente ganharia o nome de “Get Back”, e seria um disco e um filme que mostrava como a banda gravava seus discos. Tal ideia foi um desastre e Harrison declarou: “As filmagens de Let It Be eram perfeitas para quem quisesse saber como funciona o processo de dissolução de uma banda de rock”.

O projeto foi engavetado em 1969 para a gravação do que é realmente o último disco dos Beatles, “Abbey Road”. “Get Back” só foi retomado e lançado sob o nome “Let It Be” após o grupo se separar em abril de 1970.

Esses e outros episódios fazem de “The Beatles Anthology” uma referência obrigatória sobre a banda inglesa. É um livro de cabeceira para quem é fã ou para quem quer apenas conhecer a história do maior fenômeno da música.