1968. O que ocorreu nesse ano de tantas mudanças? Por que tantos acontecimentos aconteceram em 1968? Por que as pessoas resolveram sair às ruas para protestar em todo mundo? Zuenir Ventura (jornalista do Jornal ‘O Globo’) disse que “1968 ainda não acabou”. Será que ainda temos que descobrir exatamente o que ocorreu em 1968?

Gal Costa

Agora o álbum “Tropicália ou Panis Et Circencis” que tem Caetano Veloso, Gilberto Gil, Torquato Neto, Os Mutantes, Tom Ze, Nara Leão e Rogério Duprat retrata um pouco o que foi esse ano. Repressões, guerra, Liberdade, Drogas e Psicodelismo.

Músicas como: “Panis et circenses”, “Parque industrial”, “Geléia geral”, “Baby”, “Miserere nóbis”, ” Mamãe, coragem” e ” Bat macumba” são as estrelas do álbum. Em “Panis et circenses” interpretado por Os Mutantes começa com uma conversa na sala de jantar, e na letra aparenta ser uma sala fria, fria de carinho, elas estão ali por estar. “Mamãe, coragem” com interpretação de Gal Costa, começa com uma sirene de indústria, mostrando o progresso que a cidade estava proporcionando, e isso abria a cabeça para sonhos até antes, nunca sonhado. Aparenta ser uma carta a ser encaminhada a mãe, para dizer para não se preocupar, mesmo ela contando que nunca mais voltará, também é citado alguns textos e livros famosos da literatura da língua portuguesa, para que a mãe passasse o tempo.

Caetano Veloso e Gilberto Gil

“Geleia Geral” há barulhos de rua, guitarras elétricas e outros elementos fazem dessa música, interpretado por Gilberto Gil, é a que melhor mostra o que seria e foi o Tropicalismo. Lembrando que o Tropicalismo tem como referência, o Modernismo de 1922, que essa mistura é quase que obrigatório. ” Parque industrial” também interpretada por Gilberto Gil, tem como pano de fundo o progresso e ironia (“O avanço industrial / Vem trazer nossa redenção”).

Despedaçados
Atropelados
Cachorros mortos nas ruas
Policiais vigiando
O sol batendo nas frutas
Sangrando
Oh, meu amor
A solidão vai me matar de dor

“Baby” interpretada pela Gal Costa, vem para mostrar que devemos expandir, conhecendo coisas novas, misturando amor com economia, essa canção é o maior sucesso pelo grande público. “Lindoneia” que tem com inspiração a obra de Rubens Gershman chamado A Bela Lindonéia, ou A Gioconda do Subúrbio. Ela trata da violência que Lindoneia sofria, da miscigenação e do regime ditatorial que vivíamos.

Você
Precisa saber da piscina
Da margarina
Da Carolina
Da gasolina
Você
Precisa saber de mim

“Bat Macumba” é uma poesia em que cada frase há a perda de uma sílaba, e quando fica em apenas em uma sílaba, volta a ganhar a cada frase a sílaba retirada, essa canção é interpretada pelos Mutantes, Caetano, Gilberto Gil e Gal Costa. Se você prestar atenção a letra da música forma um K ou se você preferir uma parte da bandeira nacional.

“Miserere nóbis” interpretada por Gilberto Gil, no início tem um orgão, que faz lembrar igreja antiga e termina com tiros de canhão. É uma letra que mistura a provocação ao regime militar e a situação que o povo se encontrava. As outras canções têm a mesma conotação, é um álbum épico que muitas vezes fica repetitivo falar dele, mas devemos sempre lembrar desses clássicos.

Já não somos como na chegada
Calados e magros, esperando o jantar
Na borda do prato se limita a janta
As espinhas do peixe de volta pro mar

A capa é antológica, traz alguns artistas do movimento tropicalista: Tom Zé, Rogério Duprat (segurando o penico), Caetano Veloso (segurando a foto de Nara Leão, Gilberto Gil, Rita Lee, Arnardo e Sergio, Torquato Neto (De boina) e Gal Costa. A fotografia foi de Oliver Perroy e participação do artista plástico Rubens Gerchman.

FAIXAS
01- Miserere nóbis
02- Coração materno
03- Panis Et Circencis
04- Lindonéia
05- Parque industrial
06- Geléia geral
07- Baby
08- Três caravelas
09- Enquanto seu lobo não vem
10- Mamãe, coragem
11- Bat macumba
12- Hino ao Senhor do Bonfim