O disco “Luz”, certamente foi o grande responsável pela consolidação da carreira do mestre Djavan. Os arranjos, qualidade de produção e participações desse álbum fazem dele, um dos melhores de toda a sua obra.

Quinto álbum de Djavan, “Luz” veio em uma época de inovação para gravadora Sony. O dono na época viu no alagoano a chance de alavancar suas vendas. O Luz foi totalmente produzido nos Estados Unidos, com músicos americanos compondo o corpo da banda de Djavan.

paulinho-steve-wonder-e-djavan

Djavan, conheceu Stevie Wonder na década de 80, na gravação do álbum Luz.

Em meio às gravações, Djavan teve a oportunidade de conhecer o mestre do Soul/Funk Stevie Wonder. O músico alagoano fez uma proposta que não fora recusada. Stevie Wonder fizera uma participação na faixa Samurai,  gravando um belo solo de gaita.

Existia uma lenda, principalmente nos anos 80, de que Djavan usava letras aleatórias que apenas rimassem em suas músicas. O que se trata de uma grande calúnia.

Segundo palavras do próprio Djavan em uma entrevista para o programa Som de Vinil, “Não tem nada de errado, o que falta é conhecimento de algumas pessoas, principalmente em culturas do norte e nordeste do País”.

Djavan é considerado um dos melhores compositores do Brasil. Se estilo mistura Bossa Nova, Jazz, Samba com um ar nordestino.

Djavan é considerado um dos melhores compositores do Brasil. Se estilo mistura Bossa Nova, Jazz, Samba com um ar nordestino.

No refrão da música Açaí, Djavan foi muito criticado, mais uma vez pela falta de conhecimento dos críticos. No mesmo programa ele fala do refrão, onde menciona sobre a manhã nos estados do norte do Brasil: “Açaí, guardiã/Zum de besouro um ímã…”, o Açaí é uma fruta muito comum em várias regiões do norte do país e assim os trabalhadores rurais que ganham seu sustento com a fruta “guardiã”, é comum também o fato de o zum de besouro atrair a atenção de qualquer pessoa como se fosse um “ímã”. Na última frase do refrão: “Branca é a tez da manhã”, Djavan troca a palavra “céu” por “tez” (que significa: pele, epiderme), onde fica claro o fato de que ele diz que o céu da manhã é branco, direcionando ao tema central: manhã.

Repleto de ótimas canções, arranjos com base em Samba, Bossa Nova, Jazz e Forró, combinados a  um excelente trabalho de gravação, o Luz foi uma obra de arte.

Músicas como “Pétala”, “Açaí”, “Sina”, “Esfinge”, “Capim”, “Luz” e “Samurai” se tornaram famosas e constantes em coletâneas e shows.


Faixas

1 – Pétala
2 – Luz
3 – Nobreza
4 – Capim
5 – Sina
6 – Samurai
7 – Banho de Rio
8 – Açaí
9 – Esfinge
10 – Minha Irmã


Djavan- Luz (1982)


Djavan no programa Som de Vinil