O terceiro álbum da banda Green Day os coloca no cenário musical mundial. Chamado de o novo Punk (punk moderno) e voltado para uma juventude sem distinções: skatistas, surfistas, líderes de torcida, nerds e por aí vai.

Tré Cool, Billie Joe e Mike Dirnt

Com quase todas as músicas tocadas nas rádios, ‘Dookie’ é o álbum de maior importância para a banda. Lançado em 1994 (para muitos o último ano de relevância para música tanto no Brasil quanto fora), esse trabalho traz experiências vividas pelos integrantes da banda, algo que a juventude se identificava: álcool, drogas, sexo e o tédio. Além disso, o momento era do grunge, que trazia uma batida mais lenta. Será que esse álbum é um dos culpados pelo fim do grunge? Sim. O sucesso foi enorme, tanto que no Woodstock de 1994, Green Day era um dos nomes mais esperados, trazendo ansiedade e medo ao mesmo tempo. Como uma banda novata de tanto sucesso se sairia? Se saiu super bem e seu show um dos mais animados e lembrado (com direito a show de lama!).

“Longview” e “Burnout” são músicas que trazem o tédio a tona, algo que até hoje é tema de muitas rodas de educadores, como trazer o jovem a sociedade? As duas canções foram sucesso absoluto. “She” imortaliza uma ex-namorada de Joe. “Basket Case” e “When I Come Around” são músicas que contam histórias verdadeiras que o vocalista passou. “Welcome to Paradise” já tinha aparecido no álbum anterior “Kerplunk” mas agora com uma nova roupagem. “In the End” é sobre sua mãe uma das poucas canções que fogem dos assuntos centrais. Todas as músicas são de autoria de Billie Joe, menos “Emenius Sleepus” que é de Mike Dirnt e a faixa escondida “All by Myself” de Tré Cool.

“Eu te ouço chorando alto,
Todo o caminho através da cidade
Você está procurando por alguma pessoa
E sou eu, lá fora, de ronda
Enquanto você senta por perto sentindo pena de si mesma…”

Letra When I Come Around

Esse disco é lembrado pela pegada mais rápida e riffs marcantes. Fez tanto sucesso que aparece em inúmeras listas especializadas de música e abocanhou inúmeros prêmios:

Revista Rolling Stone
– 500 melhores álbuns de sempre
– Melhores Álbuns de 1994
– Melhores Álbuns dos anos 90
– 40 Melhores Registros de Mainstream Alternativa de 1994

Outros meios de comunicação
– Top 200 Álbuns de Todos os Tempos (Hall da Fama do Rock ‘n’ Roll)
– 100 álbuns que você deve ouvir antes de morrer (Kerrang)
– Os 200 melhores álbuns dos anos 90 (Classic Rock & Metal Hammer)
– 1001 discos para ouvir antes de morrer (Livro)
– 100 Maiores Álbuns, 1985-2005 (Spin)
– 10 melhores álbuns de Hard Rock de 1994(Loudwire)
– 50 álbuns icônicos de 1994 (Revista Guitar World)
– Melhor Álbum alternativo (Grammy)

“Você teria tempo
Pra me ouvir reclamar?
Sobre nada e tudo, tudo de uma vez
Eu sou um desses
Idiotas melodramáticos
Neurótico até os ossos…”

Letra Basket Case

Os tempos tinham mudado e os ideais também (Nenhuma geração é melhor que a outra!). Com a fama e os assuntos das letras começaram a discutir se essa juventude estava perdida, não faremos aqui nenhum julgamento e Billie Joe (vocal e guitarra), Mike Dirnt(contra baixo) e Tré Cool(baterista) não estavam nem ai para os que os outros pensavam. Certo eles.

FAIXAS
01 – Burnout
02 – Having a Blast
03 – Chump
04 – Longview
05 – Welcome to Paradise
06 – Pulling Teeth
07 – Basket Case
08 – She
09 – Sassafras Roots
10 – When I Come Around
11 – Coming Clean
12 – Emenius Sleepus
13 – In the End
14 – F.O.D./All By Myself