Toda banda tem um momento em que percebe que se perdeu, não sabe para onde está indo e The Doors percebeu isso antes de fazer “Morrison Hotel”. Nesse quinto álbum eles voltam as suas raízes e fazem um trabalho baseado no blues, mas com algumas pitadas de acid rock e funk.

John Densmore, Robby Krieger, Jim Morrison e Ray Manzarek

“Roadhouse Blues” abre as portas do álbum de uma maneira violenta, “You gotta thrill my soul (Você tem que excitar minha alma)”, há partes que parece que Morrison está em êxtase, quase alucinado, apenas deixando rolar. “You Make Me Real” é a súplica para que a pessoa amada esteja ao seu lado, algo que se repete durante toda a canção, um blues bem marcante, em que a entrada do piano já deixa o ritmo lá no alto. “Queen of the Highway” é uma poesia que quer passar como os jovens americanos são lindas, mas também perdidas. “Peace Frog” uma das músicas mais legais do álbum, ela consegue ser dançante e vibrante, seu começo lembra as músicas dos filmes de ação dos anos 70, com uma guitarra marcante ela surpreende qualquer um, um ótimo funk.

“Você me faz real
Só você tem esse encanto
Então me deixe deslizar em seu frágil mar submerso
Me liberta, amor, me liberta…”

Letra You Make Me Real

Outras canções merecem destaque como a “The Spy” também um blues, mais lento onde o piano e a guitarra parecem que se conversam, e Jim com sua voz melancólica dá um ar de um final de noite em um bar, é magnifico, ele fazia isso com facilidade, na letra ele está te espiando, até mesmo nos seus sonhos. Não tem como não se lembrar de “The End” (música do álbum The Doors) ao ouvir “Indian Summer”, não pela letra, mas sim pela temática que foi composta a melodia, com uma letra bem curta, é uma declaração de amor.

“Eu sou um espião na casa do amor
Eu sei os sonhos que você está sonhando
Eu sei a palavra que você anseia ouvir
Conheço seu medo mais profundo e secreto…”

Letra The Spy

Nesse período Jim Morrison estava enfrentando problemas nos tribunais, foi aos tribunais duas vezes, tudo para explicar o porquê das palavras de baixo calão e sua obscenidade exposta em muitos shows (principalmente no ano de 1969 em um show em Miami). Isso atrapalhou bastante, porque a banda tinha medo que ele ficasse preso e não fosse possível gravar, por isso começaram a fazer inúmeros registros ao vivo caso ele fosse condenado. Ele foi condenado mais acabou não sendo preso, apenas pagou fiança. Mas o bom que nesse trabalho começou a recuperar a credibilidade da banda, que tinha se perdido com os álbuns anteriores.

“Você tem que deixar rolar, rolar, rolar
Você tem que excitar minha alma, isso aí…”

Letra Roadhouse Blues

Certamente os acontecimentos mexeram com Morrison, ele muda um pouco sua postura, deixa o experimentalismo de lado e faz aquilo que melhor sabe fazer: compor. Em “Morrison Hotel” temos músicas marcantes, uma capa que ficou marcada na história do vinil (imagem foi tirada em um hotel em que Ray Manzarek tinha visto em Los Angeles) e um Jim Morrison inspirado. Que bom!

FAIXAS
01 – Roadhouse Blues
02 – Waiting For The Sun
03 – You Make Me Real
04 – Peace Frog
05 – Blue Sunday
06 – Ship Of Fools
07 – Land Ho!
08 – The Spy
09 – Queen Of The Highway
10 – Indian Summer
11 – Maggie M’Gill

http://www.youtube.com/watch?v=mxyYJSU_OR8