Falar em jazz é falar em “Kind of Blue”, de Miles Davis. Simplesmente o maior álbum de jazz de todos os tempos, estando no topo de todas as listas de melhores álbuns. Grandes músicos juntos em uma excelente obra de arte.

Como não se emocionar ouvindo tamanha obra de arte? “Kind of Blue”, lançado em 1959, pelo mestre trompetista Miles Davis e seu sexteto de ouro composto de grandes lendas do jazz como John Coltrane no saxofone,  Bill Evans  no piano, Jimmy Cobb na bateria, o baixista Paul Chambers e o também saxofonista Julian Cannonball. Todos extremamente geniais que elevaram o nível do álbum ao ponto mais alto até então alcançado. Álbum com belíssimas composições, sendo incapaz de pular uma faixa sequer.

Miles, Cannonball and Coltrane

Miles, Cannonball and Coltrane

Esse álbum traz contraste de trabalhos anteriores de Davis, enquadrados no estilo hard bop ( uma modalidade dentro do jazz), que possui complexa progressão harmônica e improvisação. O álbum inteiro fora composta por uma série e “esboços modais”, ou seja, cada integrante recebeu um conjunto de escalas que definiriam o limite de um ponto inicial e final para a improvisação e estilo de cada um. Esse tipo de procedimento se opunha às medidas mais comuns no jazz de improviso.

Um dos editores mais famosos do Allmusic, O Stephen Thomas Erlewine, certa vez disse algo que define perfeitamente o “Kind of Blue”.

“Kind of Blue não é somente um destaque na produção artística de Miles Davis, é um álbum que grandiosamente se sobrepõe a seus pares, considerado de maneira geral como o disco definitivo do jazz, um padrão de excelência universalmente reconhecido. Por que Kind of Blue possui tamanha mística? Talvez porque sua música nunca ostenta sua genialidade… é o pináculo do jazz modal  — tonalidade e solos construídos a partir do tom geral, sem mudanças de acorde, dando à música uma qualidade sutilmente mutável… Pode ser um exagero dizer que se você não gosta de Kind of Blue, você não gosta de jazz — mas é difícil imaginá-lo sendo qualquer coisa que não um item basilar de qualquer coleção de jazz” – O Stephen Thomas Erlewine

KING

“Kind of Blue” foi aclamado pelos fãs e críticos mais perfeccionistas do mundo do jazz, chegando a ser também a obra de jazz mais vendida de todos os tempos. Em 7 de outubro de 2008, o disco recebeu certificação de platina quádrupla pela RIAA (Associação das Indústrias Fonográficas Americanas), com vendagem de mais de quatro milhões de cópias somente em seu país de origem. O LP é reconhecido, também pelas autoridades musicais, como a obra-prima do músico e o maior álbum já criado do gênero.


Faixa

1 – So What
2 – Freddie Freeloader
3 – Blue in Green
4 – All Blues
5 – Flamenco Sketches


 

Miles Davis  – Kind of Blue (1959)