Mais um álbum fantástico composto em terras tupiniquins. Uma verdadeira obra de arte, um disco com elementos de rock, soul, jazz, funk, samba e bossa nova. Um álbum conceitual e com letras que variam de críticas políticas e contos, onde a beleza de nosso país é enfatizada.

Lançado em 1970, O disco Milton já inicia com a belíssima música de Fernando Brant, Márcio Borges e Lô Borges, “Para Lennon e McCartney”, uma canção emblemática, não somente no contexto letra, que faz alusão a uma conexão local/global mediada por aqueles que desconheciam o “lixo ocidental”. O incrível arranjo e harmonia e mostra a enorme influência dos Beatles na música popular brasileira. A música que faz completamente jus ao titulo.

Na sequência o sambista João Nogueira, Milton Nascimento e Robertinho Silva no Rio de Janeiro em 1970

Na sequência o sambista João Nogueira, Milton Nascimento e Robertinho Silva no Rio de Janeiro em 1970

Seguindo uma linha melódica completamente diferente da primeira faixa, “Amigo, Amiga” segue mais a linha da maioria das músicas de Milton Nascimento, uma base de violão com arranjos bem feitos contemplam uma bela introdução e andamento da música.

A faixa “Durango Kid” fazendo referência do lendário cowboy fictício do cinema e dos quadrinhos, a música segue uma linha bem rural, arranjos novamente em violões, porém desta vez com flautas e percussão. Uma música bastante completa em termos de harmonia.

A ultima faixa  “O Jogo” é uma mistura muito sutil, ao mesmo tempo fantástica de jazz e bossa nova, à moda Stan Getz e João Gilberto (Getz/Gilberto). A letra fala sobre o esporte mais amado no país, o futebol.

Um álbum digno de aplausos.  Tamanha riqueza cultural, tamanha riqueza de harmonia, tamanha riqueza de expressão, todas elas combinadas em um único disco feito com qualidade cirúrgica. Uma verdadeira obra de arte.

 

Faixas

 

1 – Para Lennon e McCartney
2 – Amigo, Amiga
3 – Maria Três Filhos
4 – Clube da Esquina
5 – Canto Latino
6 – Durango Kid
7 – Pai Grande
8 – Alunar
9 – A Felicidade

Milton Nascimento  – Milton 1970