Em tempos de preservação de nossas riquezas naturais, a mineira Tulipa Ruiz com a sua “A Ordem das Árvores” nos faz enxergar que cada vez mais os pássaros estão ficando sem casa e nós, por sua vez, estamos ficando sem os belos cantos das aves porque nós simplesmente estamos destruindo as árvores, que é a casa desses animados bichos.

Quando canta “a ordem das árvores não altera o passarinho”, Tulipa faz uma pequena brincadeira com a matemática com aquela máxima que aprendemos na escola de que “a ordem dos fatores não altera o produto”. Não importa o fato de onde estamos o que importa realmente é quem ele é de verdade.

“Naquele curió mora um pessegueiro
Em todo rouxinol tem sempre um jasmineiro
Todo bem-te-vi carrega uma paineira
Tem sempre um colibri que gosta de jatobá

Beija-flor é casa de ipê

Cada andorinha é lotada de pinheiro
E o joão-de-barro acolhe o eucalipto

A ordem das árvores não altera o passarinho”

Esta canção é uma das joias da chamada nova safra da MPB, que por muitas vezes é criticada por quem acha que não existem verdadeiros talentos atualmente. Tulipa Ruiz se encaixa nos grandes valores da música, tanto que essa música faz parte de “Efêmera”, trabalho de estreia da cantora, muito elogiado pela crítica.