O grande interprete Jair Rodrigues passa por todos os ritmos com muito talento, profissionalismo e um brilho que deixa ainda melhor as suas interpretações. Mesmo não estando mais entre nós, sentimos a alegria da sua voz. Quer perceber essa alegria? Escute esse álbum de 1969 “Jair de Todos os Sambas”.

No set list do disco só há perolas da música brasileira. Podemos notar a presença de seu amigo Martinho da Vila com “Casa de Bamba” e “Pra quem Dinheiro”. Jair era nome certo nos grandes eventos musicais e Martinho já tinha sentido um gostinho no ano anterior no V Festival com “Casa de Bamba”, mas depois de colocar em seu álbum, Jair ajuda colocar ainda mais o nome de Martinho no cenário musical.

José Messias (Ficou famoso nos últimos anos de sua vida, como jurado do Programa Raul Gil) deu a animada “Vê que Luar”. De Tito Madi (o grande Tito Madi!) vem “Quem Entrar na Roda É Rei”. Do mestre Ataulfo Alves temos “Leva meu Samba”.

“Macumba lá na minha casa
Tem galinha preta, azeite de dendê
A ladainha lá na minha casa
Tem reza bonitinha e canjiquinha pra comer”

Letra Casa Bamba

Outro grande destaque temos a “Enxuga a Tristeza do Olhar”, que vem mostrando o que melhor Jair sabia fazer, samba! Colocando a tristeza em um patamar abaixo da alegria, mesmo que a letra tente nos levar ao caminho contrário. Outro grande destaque do disco fica para a a direção e produção de Manoel Barenbein, famoso por produzir os discos mais famosos na virada dos anos 60 para os 70.

Na contracapa do disco tem uma dedicatória sensacional de Fernando Lobo (Compositor, Jornalista e pai de Edu Lobo):

“Quando a história da música popular brasileira for escrita, Jair Rodrigues já tem reserva de lugar em primeira fila. Ele aqui está, outra vez, trazendo nada mais e nada além do que um punhado de sambas, pois de samba é que vive e samba é o que sabe cantar.

Se dermos uma volta em sua vida, vamos vê-lo menino, aprendiz de alfaiate, lá longe, dentro do Estado de São Paulo. Se depois carregou pedras e fez caliça para erguer casas como ajudante de pedreiro que foi, em ambas as profissões de luta sempre trazia um sorriso, um assobio de bom ritmo.

Jairperfil.0Agora está aqui outra vez trazendo uma bandeja cheia de sambas. E sambas de melhor qualidade, onde ele vive um mundo de personagens que os sambistas inventam pensando na sua figura. É ele, sim, não há dúvida, aquele Conde que viu sua fantasia de plumas azuis atirada no chão, seu pinho quebrado, tal e qual sucedeu na canção popular. Ele, deixando tudo isso pra lá e sabendo bem que na vida nada é mais importante do que ver Vilma passar na Portela, rabiando o seu estandarte colorido e falando alto o samba-enredo da sua escola. E nada é, de fato, mais importante do que isso, não.

O samba foi feito para fazer carícias na alma de quem sofre chicotadas fortes. É pra todos nós, do alto, de baixo, do lado ou do meio.

A vida está de cabeça pra baixo, o formicida é uma insinuação, e eis que o samba chega e faz cessar essa preguiça de viver.

Jair é o samba de agora. Ele canta a tristeza com um sorriso largo, desafiando o tom menor. Ele grita a vida em ritmo alegre, pois sabe que a vida é um passar correndo.

Aqui estão juntos: Jair e seu novo disco. Em cada faixa, um samba; em cada samba, uma dose violenta de otimismo que vem pela voz e pela forma que este sambista maior nos sabe entregar. Vamos ouvir tudo isso em tom de silêncio e, depois, sair por aí, com o sorriso largo que o sambista transmite. E seremos melhores. Ou menos infelizes.” – Fernando Lobo (texto da contra capa).

Um disco sem igual, que nos ensina o verdadeiro samba. Obrigado Jair.

Brasil, São Paulo, SP. 27/09/1966. O cantor Jair Rodrigues interpreta a música "Disparada", de Geraldo Vandré e Theo de Barros, durante o Festival de Música Popular da Record, realizado no Teatro Record, na Rua da Consolação, região central da capital paulista. Pasta: 16832 - Crédito:ARQUIVO/ESTADÃO CONTEÚDO/AE/Codigo imagem:55706

FAIXAS

01 – Bahia de Todos os Deuses

02 – Bloco de Sujo / Levanta a Cabeça / Avenida Iluminada

03 – Enxuga a Tristeza do Olhar

04 – Em Nome da Lua, da Mulata e do Samba, Amém

05 – Casa de Bamba

06 – Vê Que Luar

07 – Pra Que Dinheiro

08 – O Conde

09 – Na Brincadeira do Mundo

10 – Feiticeira

11 – Olelê, Cheguei Agora

12 – Quem Entrar na Roda É Rei

13 – Leva Meu Samba