Foi em meados da década de 50, quando os músicos negros concluíram que o item “improvisação” necessitava ser revisto, aumentado e devidamente desenvolvido que surgiu o grupo “Jazz Messengers” do baterista Art Blakey. Curiosamente, não foi o Blakey o seu idealizador, mas sim, o pianista Horace Silver que também acumulava as funções de diretor musical.

Esse ábum, autêntica preciosidade, foi gravado em abril e maio de 1956, apresentando a segunda formação dos “Messengers”, quando o então jovem Donald Byrd ingressava o grupo em substituição a Kenny Dorham. Evidentemente que tal alteração nada modificou o produto musical. Aliás, sobre a música dos “Messengers” assim se expressou Art Blakey em entrevista concedida a Kurt Mohr em 1959, quando o grupo realizou proveitosa temporada na França:

“Penso que a nossa música traduz um pouco da revolta dos negros, face a todas as humilhações e injustiças que tivemos de tolerar através de tantas gerações; Ela é nossa afirmação não só como homens mas também com músicos”.

A temática dos “Jazz Messengers” nesse álbum, é constituída por dois “standards” e cinco originais de autoria de Horace Silver e Hank Mobley. Repertório caracterizado por intensa variedade, com o frequente uso do “latin rhythm” na exposição dos temas e o usual andamento 4/4 nas improvisações dos solistas.

Alguns excelentes artifícios são usados nos arranjos, como as passagens em contraponto e os ritmos cruzados, principalmente em “Infra-Rae”, quando Silver e Blakey o utilizam durante o solo de Hank Mobley. Coincidentemente, “Infra-Rae”, original de Mobley, é um autêntico painel dos “Messengers”, contendo um pouco de cada característica que o grupo produz normalmente, inclusive um eficiente solo de bateria do líder Art Blakey.

*TEXTO EXTRAÍDO DA CONTRACAPA DO DISCO.

FAIXAS:

1-Infra-Rae
2-Nica’s Dream
3-It’s You Or No One
4-Ecaroh
5-Carol’s Interlude
6-The Ende Of A Love Affair
7-Hank’s Symphony