Um dos primeiros grupos a misturar Rock com Hip Hop no mundo. Combinação essa que deu muito certo e fez “King of Rock” um álbum extremamente influente na década de 80. A combinação do Rock às batidas eletrônicas foi um ápice da inovação e influenciou também, no jeito de vestir, o estilo gangsta politizado, que depois prosperou com o Public Enemy e o Boogie Down Productions.

“King of Rock” é o segundo álbum do trio, produzido em 1985 e claramente é mostrado um som muito mais influenciado pelo rock and roll do que para o rap. Muitos riffs pesados e solos de guitarra compõem a maioria das musicas do álbum.

“Rock The House” canção inicial do álbum, traz elementos de hip hop, e uma percussão eletrônica incrível. A música dá uma impressão que o tempo todo irá entrar guitarras pesadas acabando com tudo, mas curiosamente ela se mantem com os vocais recitados.

“You Talk Too Much” ao contrário da primeira faixa, traz um baixo eletrônico envolvente em moods de funk e um teclado completando os arranjos. O refrão entra com toques eletrônicos fazendo o funk ficar mais presente em relação ao restante do single.

“Roots, Rap, Reggae” um dos singles mais animados do disco e faz jus ao seu título, pois faz uma combinação de rap com reggae e uma pitada de bateria eletrônica.

“King of Rock” não poderia ficar de fora da resenha, não somente pelo fato de trazer consigo o nome do álbum, mas por que contem toda a ideia de experimento entre os elementos aqui citados, combinando-os.  Mistura a fúria do rap com o rock trazendo guitarras distorcidas, sem perder a batida eletrônica e calma do rap.


Faixas

1 – Rock The House

2 – King of Rock

3 – You Talk Too Much

4 – Jam-Master Jammin

5 – Roots, Rap, Reggae

6 – Can You Rock It Like This

7 – You’re Blind

8 – It’s Not Funny

9 – Darryl And Joe