O tempo fora muito justo com Geraldo Pereira e tratou de fazer com que sua obra ofuscasse sua fama de mulherengo, brigão e alcoólatra. Alias, ao que se sabe, este foi o motivo que levou a sua morte precoce aos 38 anos, após tomar um soco do malandro homossexual Madame Satã.

Felizmente sua obra genial e suas melodias cheias de divisões rítmicas o que fez com que inovasse a música popular brasileira na década de 1940. João Gilberto certa vez disse “…o jeito Geraldo de fazer samba influencia a tal “batida da bossa nova”

Ainda que haja controvérsia, acredito que Geraldo não era um incrível ritmista, mas fazia coisas únicas para época e certamente iniciou tendências admiradas até hoje. A expressão Samba Sincopado fora resultado de sua maestria, pois sabia como ninguém em sua época, fazer o ritmo certo com linhas propositalmente balançantes e tortas, isso significava uma maestria imensa em 1940.geraldo-pereira-2
O samba sincopado é um subgênero que só se separa do gafieira por conta da sua instrumentação e o principal cantor desse gênero fora Cyro Monteiro que viera a fazer várias parcerias com Geraldo. Falsa Baiana, escrita por Cyro Monteiro, fora uma das canções mais famosas interpretadas por Geraldo. A música consiste em um samba bem ao estilo bossa nova. A letra remete a uma ideia do que seria uma verdadeira mulher nascida na Bahia. Dizendo cateterística dentro do samba que quando não condiz, nomeia a mulher como Falsa Baiana.


Poucos sabem mas Geraldo participou da escola de samba Mangueira antes de seus medalhões Cartola e Carlos Cachaça, mas por tomar outra vertente no samba, não fizera parte da reformulação da escola e nesse período não teve atuação expressiva dentro da mesma.

No início dos anos 50 Geraldo fizera muita fama, entrando para história da música brasileira participando do primeiro Long Play do pais. A extinta empresa internacional “Sinter Capitol” instalada aqui lançou para o carnaval de 1951 um LP com uma coletânea de músicas gravadas para os dias dos participando e neste estava a canção “ELA” na voz de Geraldo. Eram discos 78 rotações e foram vendidos em todo o Brasil.

Diante de inúmeras versões da causa de sua briga e sua morte a que mais parece coerente e bate com os históricos de excessos de Geraldo fora que o soco do malandro Madame Satã fora apenas o gatilho para algo que já estava vindo mal.

madamesata

Na foto está o malandro carioca João Francisco dos Santos, conhecido por Madame Satã.

A certeza que todos tem era que Geraldo tinha muitos problemas como bebida e isso lhe causou também problemas gastrointestinais, pois pessoas mais próximas a ele ouvia do cantor que ele perdia muito sangue ao ir ao banheiro e comentava com os amigos de diarreias que lhe amedrontava. Como nunca cogitou parar de beber, seu desfecho precoce era certo.


Dentre todas as versões apresentadas, menciona -se que o motivo da briga fora por que Geraldo derrubou três copos de João Francisco dos Santos (Madame Satã) o insultando como palavrões ” Viado não bebe na minha frente” e Geraldo no final levou a pior pelos mesmos motivos de que Satã ficou conhecido (Madame Satã ficou conhecido pois entrava em luta corporal com Policiais locais levando a melhor sobre eles, esse fora um dos fatos que sustentou por muito tempo a sua fama de malandro). Geraldo supostamente teria levado um soco e batido com a cabeça na guia da rua.

Existem três certidões de óbito encontradas, mas todas duvidosas. Duas falam em hemorragia intestinal e uma delas que contribui para versão da lenda do soco, que fora a hemorragia cerebral.


Seu amigo e parceiro Cyro foi visita-lo no hospital pouco tempo antes de sua morte e ouviu do próprio Geraldo que já tinha músicas prontas inclusive a continuação que seria uma resposta a música Escurinho.

Geraldo Pereira, fora também o compositor de belas canções como ” Acertei no Milhar” muito famosa na voz de Jorge Veiga , “Cabrita Malsucedida”, “Escurinho”, “Que Samba Bom”, “Você está sumido” e ” Quando ela samba” além de sua música mais famosa ” Falsa Baiana”.

Um incrível e genial compositor, talentoso e inovador que certamente fora imensamente importante para o âmbito nacional da música, merecendo sim ser o primeiro artigo do 45 rotações na série ” Grandes Nomes da Musica Brasileira”.

Fontes : Coleção Folha Raízes da Musica Popular Brasileira/ Site: Dicionário da Música Popular Brasileira/ Enciclopédia da Música Brasileira/ Livro : Almanaque do Samba/ Site : Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira.