Gene Krupa, Anita O’Day, Roy Eldridge – novamente reunidos em um LP colossal, feliz, do tipo curtição total. Esse somatório resulta em “Drummer Man”, onde Krupa volta a sentar-se à bateria de uma big band provando – se é que depois de tanto tempo ainda há necessidade de uma prova – que não há ninguém como ele para criar o fogo e a disciplina e que, juntos, produzem música para ouvir e dançar da maior categoria.

Como dissemos acima, este é um LP feliz, onde cada um dos participantes parece ter sido colhido num momento maravilhoso. Essa sessão, mais tarde diria Gene Krupa “foi a mais divertida que tive em muitos anos. Foi divertido suingar; nada jamais fará esquecer o suingado dessas músicas. Tudo o que eu fazia era sentar lá atrás, com minha bateria, e ouvir mais uma vez Anita e Roy, e tudo saí tão bem…”

Considerando ser esta uma coleção de tom alegre, as canções, em sua maioria, se adequam ao clima, e Anita O’Day está no melhor de sua forma vocal, cantando num estilo único, que propicia a cada canção a sua marca própria, altamente individual. Sua voz rouca tem uma meia-voz maliciosa e tem, como vantagem, uma musicalidade própria. Ela canta com sentimento e ela suinga e, melhor de tudo, ela evita qualquer tipo de truque. Você não precisa ouvir muito de perto, também, para discernir quanto Anita influenciou todo um grupo de outros cantores populares.

Exatamente por que Anita e Roy se saem tão bem atuando com uma banda de Krupa não é fácil de compreender, somente se for por que eles, os três, sentem-se especialmente à vontade trabalhando juntos. Antes, quando Anita e Roy eram membros do grupo de Krupa, eles criaram algumas das músicas mais memoráveis de que se tem notícia.

Naturalmente quando Gene, Anita e Roy decidiram gravar novamente, eles quiseram registrar algumas das favoritas, bastante conhecidas de seus fãs dos dias da big band. De cara, logicamente, surgiu “Let Me Off Uptown”, número saltitante em que Anita e Roy cantam as alegrias de uma não muito mítica “uptown”, e Roy produz um solo de trompete brilhantemente perfeito. Com Roy, “Fish Market” troa expandindo-se a seguir por registros mais altos. “That’s What You Think” revela Anita num clima sardônico, com uma ampla mas significativa leitura sem palavras.

E falando em significativo, ouçam “Boogie Blues” e Anita perguntando melancolicamente: “A lua não parece solitária?”. E perpassando tudo isto há, logicamente, o baterista em ação – especialmente num tour-de-force apimentado da percussão, “Wire Brush Stomp” e “Boogie Blues”, onde Gene responde brilhantemente à pergunta de Anita: “Você ouve o boogie do baterista?”

*TEXTO EXTRAÍDO DA CONTRACAPA DO DISCO.

FAIXAS:

1-Let Me Off Uptown
2-Rockin’ Chair
3-Opus 1
4-Fish Fry
5-Drummin’ Man
6-Drum Boggie
7-Boogie Blues
8-Leave Us Leap
9-Slow Down
10-Wire Brush Stomp
11-That’s What You Think
12-After You’ve Gone